Londres terá câmeras de reconhecimento facial nas ruas

Objetivo é identificar criminosos em áreas consideradas perigosas

141
Reprodução/EPA/EFE

Em meados do debate sobre o uso de sistema de reconhecimento facial, a polícia de Londres anunciou que vai começar a usar a tecnologia para identificar criminosos nas ruas da cidade. As câmeras ficarão em áreas onde pesquisas indicaram ser as mais perigosas e onde há maior probabilidade de localizar suspeitos e a localização das câmeras será sinalizada.

O objetivo do uso dessa tecnologia “não é a substituição do tradicional policiamento. O sistema vai dar alertas, informando as autoridades da possibilidade de alguém ser procurado pela polícia. Dessa forma, a decisão de intervir será sempre humana”, informa Nick Ephgrave, responsável de supervisão.

A polícia de Londres garante que a tecnologia foi largamente testada, já está funcionando no setor privado e que seu uso será feito de forma totalmente transparente. Todas as imagens que não motivem um alerta de potencial suspeito serão, segundo a polícia, “imediatamente apagadas”.

Ephgrave afirma que a utilização do sistema é “importante e essencial para ajudar a combater a violência. [..] As forças policiais modernas têm o dever de usar as novas tecnologias para ajudar a manter as populações seguras”, cita o jornal espanhol El Pais.

Nos Estados Unidos, o governo anunciou, no início do ano, diretrizes sobre a tecnologia de inteligência artificial, para que houvesse um limite do alcance excessivo das autoridades. Cidades como San Francisco e Oakland, decidiram que os riscos do sistema superam os benefícios e proibiram o uso pelos departamentos policiais.

Já a China é um dos principais defensores da tecnologia. O governo chinês começou a implantar o reconhecimento facial nas farmácias para pessoas que compram um determinado tipo de medicamentos, como aqueles que incluem substâncias psicotrópicas.