Início Tecnologia Chip de identificação pode ser agregado à nova vacina contra coronavírus nos...

Chip de identificação pode ser agregado à nova vacina contra coronavírus nos EUA

Segundo a ApiJect Systems, o objetivo é distribuir a vacina de covid-19 o mais rápido possível. O Chip não conterá informações do paciente

-

Um chip de identificação por radiofrequência (RFID) poderá ser anexado a nova vacina contra o coronavírus. Trata-se de um método de recuperação e armazenamento de dados remotamente. Entretanto, segundo o CEO da ApiJect Systems America, Jay Walker, o chip não irá incluir informações do paciente.

Walker explica que o objetivo, do denominado “Project Jumpstart”, é entregar a vacina contra covid-19 a milhões de americanos o mais rápido possível e evitar manobras para a sua falsificação.

“Há um número de série único para cada dose. Ele foi projetado para que não haja falsificação, para sabermos que a dose não expirou.Mas, esse chip se refere apenas à dose, não há informações pessoais, nem informações do paciente. É simplesmente como um código de barras, mas sabemos instantaneamente onde e quando essa dose foi usada. Isso também ajuda as autoridades de saúde pública a saber quando há surtos: ‘Vacinamos pessoas suficientes nessas áreas?’ – explicou Walker à CBN News.

Foi firmada uma parceria público-privada da ApiJect Systems America com o Departamento de Defesa e o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA. O contrato avaliado em US $ 138 milhões prevê a fabricação de 100 milhões seringas pré-cheias a partir de outubro de 2020, e o Departamento de Defesa será encarregado da distribuição nacional.

Segundo o projeto, mais de 500 milhões de seringas pré-cheias serão fabricadas em 2021. O montante deve complementar o estoque existente de suprimentos de vacinas tradicionais em frascos de vidro.

“Não há problema com os frascos de vidro. Eles funcionam maravilhosamente, exceto quando você precisa de centenas de milhões, todos de uma vez. Atualmente, todo esse equipamento está ocupado trabalhando com medicamentos contra o câncer e outros medicamentos que salvam vidas. Não há capacidade excedente para preencher 100 milhões, 150 milhões ou mais com uma nova vacina”, disse Walker.

WhatsApp Receba as notícias do Relevante