Sociedade Reflexões sobre uma possível Intervenção Militar

Reflexões sobre uma possível Intervenção Militar

"Intervenção militar é sinônimo de ditadura? O apoio a essa pauta é um ataque à democracia? O que pensar sobre a possibilidade disso acontecer? Se isso ocorresse, estaria configurado um golpe?", questiona Pedro Delfino em novo artigo

-

- Advertisment -

Art. 142 da Constituição Federal:
“As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”.

O próprio texto constitucional já responde a primeira dúvida que se costuma ter ao tocar no assunto da intervenção militar: apesar da mídia e da oposição fazerem o maior terrorismo psicológico, batendo na tecla de que invocar esse dispositivo constitucional, de alguma forma, caracteriza-se como um ato inconstitucional, podemos ver que a intervenção está prevista na Carta Magna como um recurso possível. E, se está prevista, pode ser usada. Porém, daí, surge a segunda questão: em quais circunstâncias mais especificamente se justificaria a convocação das Forças Armadas para este fim?

O maior jurista brasileiro da atualidade, Ives Gandra Martins, esclareceu em recente artigo publicado na Revista Consultor Jurídico (dia 27/08/2021). Disse ele que “se houvesse um conflito entre o Poder Executivo e qualquer um dos outros poderes com claro ferimento da Lei Maior, sem outro remédio constitucional, o presidente não poderia comandar as Forças Armadas na solução da questão, se fosse o poder solicitante e, pois, parte do problema. Nessa hipótese, caberia aos comandantes da Três Armas a reposição da lei e da ordem”. E concluiu, dizendo que “a reposição da lei e da ordem seria pontual, isto é, naquele ponto rompido, sem que as instituições democráticas fossem abaladas.”

Agora, analisem comigo alguns pontos interessantes que podemos extrair das palavras do jurista:

  1. Elas confirmam que a intervenção militar é, sim, uma possibilidade constitucional e que pode ser invocada em determinados casos para garantir a lei, a ordem e o equilíbrio entre os poderes, sem que isso represente um ataque à democracia. Muito pelo contrário, ela existe justamente para garantir a manutenção da democracia.
  2. Por assim ser, os líderes de cada um dos poderes da República (Executivo, Legislativo e Judiciário) não possuem a prerrogativa de fazer essa convocação das Três Armas, quando a circunstância se dá por um conflito entre eles, uma vez que, se a intenção do dispositivo é restaurar o equilíbrio perdido, não é prudente dar a um dos três poderes (que está inserido no conflito) o poder de consertá-lo, pois isso pode vir a causar uma distorção ainda maior e fazer com que um deles subjugue os outros dois.
  3. Ele propõe como solução para isso, então, que, nesses casos específicos, os comandantes das três forças, Exército, Marinha e Aeronáutica, tomem por si mesmos a iniciativa de cumprir o papel constitucional delegado às instituições militares, que é o de garantir a ordem e o cumprimento da lei, podendo, assim, intervir de forma pontual até que se restabeleça a normalidade.

    Dito tudo isso, entendemos melhor que torcer pela intervenção não é um ato antidemocrático, que não temos por que nos envergonhar disso e nem deixar com que a oposição nos intimide com rótulos distorcidos. Afinal, se tem alguém empurrando o país cada vez mais para este destino inescapável são ELES, que não param de desafiar o nosso governo democraticamente eleito, de tentar minar todas as suas decisões, tramar contra a sua gestão, invadir competências que não são dos seus respectivos poderes, determinar prisões arbitrárias de cidadãos que o apoiam e inventar novos meios de censurar a liberdade de expressão do povo.

    Se o Bolsonaro fosse mesmo um aspirante a ditador, ele já teria dado um bico nas formalidades há muito tempo, em momentos passados em que as tramas dos seus opositores conseguiram levá-lo quase à beira do impeachment. Mas não. Ele resistiu, pagando até mesmo o preço de ser chamado de omisso e inoperante pelo seu próprio eleitorado, justamente porque ele está dando todas as chances possíveis para que o país não precise passar por uma intervenção.

    No entanto, parece que a estratégia da oposição é exatamente essa: forçar todos os limites da normalidade e do bom senso, para que, quando a situação não puder ser resolvida de nenhuma outra forma a não ser por uma intervenção militar, eles apontem o dedo para o Presidente e digam: “Não falamos? Nós avisamos desde sempre que ele era um ditador enrustido”. Sim, ele é o “ditador”, mas quem está mandando perseguir os críticos e colocar os adversários atrás das grades é o STF, não é?
    Se o Bolsonaro deixar que os comandantes das Forças Armadas decidam o momento certo de agir e se isso for feito de forma pontual, visando cessar as arbitrariedades, interromper os abusos de um poder sobre o outro e restabelecer a harmonia entre eles, não teremos por que nos preocupar com a histeria dos perdedores porque não terá sido feito nada fora do que está previsto na constituição, como um recurso existente justamente para remediar casos desse tipo.

Pedro Delfino é especialista em História da Civilização Ocidental e História da Igreja Católica; autor do livro Mentalidade Atrasada, Nação Fracassada (que aborda temas como História, Filosofia e Política); do Curso de História Geral da Civilização Ocidental, do Curso de Excelência Catholica, do livro Via Sancta e é co-Fundador do Movimento Brasil Conservador.
contato: Canal no Telegram / Instagram @phdelfino / E-mail: contato@phdelfino.com

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

Cansei! A juventude esquerdista tem que acabar

Sou jovem, mas tenho vergonha da juventude atual. Cansei de jovens cujos ídolos são ladrões, invasores de...

Bolsonaro lança programa habitacional para profissionais da segurança pública

Mais perto da casa própria. Profissionais da área de segurança pública passam a contar com programa que...

Reflexões sobre uma possível Intervenção Militar

Art. 142 da Constituição Federal:“As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições...

E se o PT voltasse ao poder?

Muitos têm se perguntado como seria um governo petista 2.0, numa eventual volta ao poder nas eleições...
- Advertisement -

Bolsonaro pede fim das prisões políticas e dá última oportunidade para Alexandre de Moraes se redimir

O discurso de Bolsonaro na Esplanada dos Ministérios (que você pode ler na íntegra aqui) já deu...

Em discurso histórico, Bolsonaro diz que o “momento chegou”

Eu sei que muitos estavam esperando por este dia. Desde o dia 1º de agosto, quando o...

Você deve ler isso...

Cansei! A juventude esquerdista tem que acabar

Sou jovem, mas tenho vergonha da juventude...

Bolsonaro lança programa habitacional para profissionais da segurança pública

Mais perto da casa própria. Profissionais da...
- Advertisement -

Você pode gostar tambémRELATED
Recomendado para você

WhatsApp No WhatsApp