Início Internacional Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam...

Sudão acaba com pena de morte para cristãos que não se convertam ao islã

Ministro da Justiça sudanês, Nasredin Abdul Bari, afirmou que vai garantir a liberdade religiosa e a igualdade na cidadania

-

O ministro da Justiça sudanês, Nasredin Abdul Bari, anunciou em entrevista à imprensa que vai acabar com a perseguição religiosa e a pena de morte por apostasia (recusa por parte dos cristãos em se converterem ao islã).

O Sudão tem realizado uma série de reformas ao código penal do país, como a ratificação, pelo Conselho Soberano do Sudão, da lei que criminaliza a mutilação genital feminina. “Vamos garantir a liberdade religiosa e a igualdade na cidadania e no Estado de direito”, assegurou o ministro.

Ele destacou que todas estas mudanças apontam no sentido da igualdade perante a lei, mas segundo o líder a pena de morte será mantida para as condenações por assassinato e “outros crimes atrozes”.

“Eliminamos todos os artigos que conduziram a qualquer tipo de discriminação. Asseguramos ao nosso povo que a reforma legal vai continuar até que eliminemos todas as leis que violam os direitos humanos no Sudão”, destacou Abdul Bari.

Em 2014, o mundo chocou-se com um dos casos de aplicação da lei da apostasia. Na época, Meriam Yahya Ibrahim, cristã e grávida, foi condenada à morte por se recusar a renunciar à sua fé.

No corredor da morte, a mulher deu à luz ao seu segundo filho 12 dias depois da condenação. As duas crianças permaneceram com a mãe no local, sendo determinado o prazo de 2 anos para ela amamentar a bebê e depois seria executada. Felizmente, Meriam recebeu liberdade um mês depois em consequência da pressão internacional sobre o caso.

WhatsApp Receba as notícias do Relevante