Início Internacional Pandemia vira pretexto para países opressores erradicarem cristãos

Pandemia vira pretexto para países opressores erradicarem cristãos

China suspende auxílio emergencial a cristãos enquanto Cuba e Turquia acusam trabalho humanitário da igreja de "espalhar o vírus"

-

A pandemia se tornou um grande aliado de governos opressores para erradicarem a qualquer custo cristãos de suas nações. Esta semana, o governo da China suspendeu o auxílio emergencial e outros benefícios aos cidadãos que se recusam a abandonar sua fé e adorar ao presidente comunista Xi Jinping.

Em denúncia, a revista Bitter Winter, relatou que moradores foram obrigados a substituir cruzes, símbolos e imagens religiosas de suas casas por ilustrações de Mao Tse Tung e do presidente chinês.

De acordo com a ONG Portas Abertas, organização humanitária para suporte a cristãos perseguidos em mais de 70 países, a pandemia criou bodes expiatórios em diversos países resultando no aumento do incentivo ao ódio comunidades que propagam a fé entre as pessoas.

Autoridades e cidadãos locais atribuem ‘o castigo do coronavírus’, ao trabalho humanitário da igreja. Em Cuba, um líder religioso foi detido acusado de “espalhar epidemias” por ajudar a idosos e fornecer ajuda mútua aos vizinhos.

“A luta contra a pandemia de Covid-19 tem sido um pretexto bem-vindo para as autoridades do governo intensificarem sua pressão sobre dissidentes e outros considerados parte de um movimento de oposição”, disse Rossana Ramirez, analista de perseguição da Portas Abertas.

Na Turquia, o ditador turco Erdogan assinou um decreto que transforma a maior igreja cristã da Turquia – a Hagia Sofia – em mesquita islâmica. Segundo aponta o site Conexão Política, também foi registrada uma tentativa de incendiar uma igreja, um dos detidos teria justificado à polícia que seria porque “os cristãos trouxeram o coronavírus para o país”.

Já no Vietnã, por exemplo, serviços médicos e sociais do país, que foram ampliados para combater a pandemia estão sendo negados as comunidades religiosas, com recusa de fornecimento de documentos de identificação e de residências necessários para o acesso ao sistema público de saúde ou outros benefícios sociais.

WhatsApp Receba as notícias do Relevante