Nações formam aliança de Inteligência Artificial anti-China

GPAI é composto pela Austrália, Canadá, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, México, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Cingapura, Eslovênia, Reino Unido, EUA e União Europeia

477
Reprodução/AFP

Os Estados Unidos, Reino Unido e a União Europeia e mais de 12 países criaram uma aliança de Inteligência Artificial “anti-china”, o GPAI ( Parceria Global em Inteligência Artificial ). A iniciativa visa o desenvolvimento de tecnologias.

A Parceria Global também é composta pela Austrália, Canadá, França, Alemanha, Índia, Itália, Japão, México, Nova Zelândia, Coreia do Sul, Cingapura e Eslovênia.

No anúncio divulgado esta semana, o GPAI considerou: “Como membros fundadores, apoiaremos o desenvolvimento responsável e centrado no ser humano e o uso da IA de maneira consistente com os direitos humanos, liberdades fundamentais e nossos valores democráticos compartilhados, conforme elaborado na Recomendação da OCDE sobre IA. Para esse fim, esperamos trabalhar com outros países e parceiros interessados”, diz.

Segundo o comunicado, o grupo também vai contar com parceria de organizações internacionais: “O GPAI reunirá os principais especialistas da indústria, sociedade civil, governos e academia para colaborar para promover a evolução responsável da IA e também desenvolverá metodologias para mostrar como a IA pode ser aproveitada para melhor responder à atual crise global em torno da COVID-19 ”, diz o comunicado oficial.

A China pretende se tornar líder global em Inteligência Artificial até 2030. Segundo noticiado pelo Conexão Política, “a estratégia chinesa de IA seria focada em usos militares e cidades inteligentes, com gigantes da tecnologia como Alibaba e Baidu facilitando o desenvolvimento.”