China proíbe professores cristãos de expressar fé dentro das escolas

“O regime da China investiga e pune professores religiosos, garante que nenhuma palavra relacionada à fé seja dita nas aulas”, disse a agência Bitter Witter

225
Reprodução

Em reportagem publicada esta semana, a agência Bitter Winter informou que algumas escolas chinesas pressionam professores para que eles renunciem sua fé cristã. Segundo o veículo, os profissionais precisam seguir as determinações impostas pelo governo ou serão demitidos.

“O controle do estado sobre a ideologia está se tornando cada vez mais rígido, particularmente no campo da educação”, disse uma professora em entrevista à Bitter Winter.

Segundo a publicação, professores que participam de atividades em igrejas também sofreram perseguições. “Em junho do ano passado, uma escola primária na província de Heilongjiang, no nordeste do país, ameaçou demitir uma professora depois de descobrir que ela também pregava em uma igreja doméstica. Foi-lhe dito para parar de fazer isso, ou o governo puniria a escola inteira”, diz a reportagem.

A agência relata que os profissionais são proibidos de usar objetos com símbolos religiosos dentro das escolas. O diretor de uma escola “proibiu todos os professores de terem crenças religiosas, usar jóias com símbolos religiosos e manter itens relacionados à religião em suas mesas”, relata.

“Os professores são obrigados a doutrinar as crianças com ideologia patriótica, fazê-las acreditar e elogiar o Partido Comunista”, disse uma professora ao veículo.