Início Inovação Cientistas criam primeiros robôs vivos a partir de células-tronco

Cientistas criam primeiros robôs vivos a partir de células-tronco

Células-tronco de sapos deram vida aos intitulados 'Xenobots' programados para trabalhar em grupo por serem mais amigáveis e seguros

-

Cientistas da Universidade de Vermont e da Universidade Tufts, nos EUA, desenvolveram os primeiros “robôs” programáveis construídos com tecido vivo e células-tronco embrionárias de uma espécie de sapo africano batizados de Xenopus laevis.

Os Xenobots são capazes de realizar atividades em grupos, nadar, além de sobreviver semanas sem comida ou até mesmo se autoconsertar quando danificados. Eles se alimentam de lipídios e depósitos de proteína em suas células.

De acordo com os pesquisadores, as máquinas são corpos projetados por um supercomputador. “Eles não são um robô tradicional nem uma espécie conhecida de animal. São uma nova classe de artefato: um organismo vivo e programável, formas de vida completamente novas e nunca vistas na natureza”, disse Joshua Bongard, um dos líderes da pesquisa, à imprensa.

No estudo, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, os pesquisadores explicam que “os robôs tradicionais degradam-se com o tempo e podem produzir efeitos colaterais prejudiciais à saúde e ao ecossistema”. Mas os xenobots, por serem máquinas biológicas, seriam mais “amigáveis” ao meio-ambiente e mais seguros para a saúde humana.

Os robôs poderiam ainda ser usados para coletar microplásticos nos oceanos por exemplo ou ser base de análises no âmbito da medicina celular e regenerativa:

“Se pudéssemos criar uma forma biológica em 3D sob demanda, poderíamos reparar defeitos de nascimento, reprogramar tumores em tecidos normais, regenerá-los após lesões traumáticas ou doenças degenerativas e derrotar o envelhecimento”, afirmaram os pesquisadores.

FONTECNN
WhatsApp Receba as notícias do Relevante