Comportamento Feminismo e a esterilização cultural

Feminismo e a esterilização cultural

"Mentes alienadas, corpos inférteis", revela Juliana Feron em novo artigo

-

- Advertisment -

Estamos vivendo um tipo de esterilização conceituada como cultural, ou seja, o indivíduo não precisa mais se submeter a uma cirurgia que vai deixá-lo estéril, nem tampouco as mulheres precisam mais recorrer a métodos contraceptivos para não ter filhos.

Ao invés disso, as pessoas (mulheres alienadas pelo feminismo) já estão convencidas a não casar, a não ter filhos, a não se submeter a um casamento, a ter uma vida amorosa alicerçada na promiscuidade, a desfrutar da perversão e mais, se nada disso funcionar, pode assassinar seu filho indesejado (aborto).

Trata-se do mais sofisticado projeto de implantar a esterilização mental em nossa sociedade, convencendo homens e mulheres da desgraça opressora da vida em família.

Agora a mulher não precisa mais se submeter ao homem (mas está submetida às ideologias e ao estado) não precisa se sacrificar cuidando da prole, mas pode entregá-los à tribo (para serem deseducados) enquanto passam 14 horas competindo com homens no mercado de trabalho e enquanto desfrutam de sua sonhada (pseudo) liberdade sexual.

Sustentou-se de que a maternidade era escravidão (Betty Friedan), que mães não deveriam ser autorizadas a criar seus filhos (Beauvoir), que casamento e maternidade eram horríveis (Sanger), que homens eram opressores, a fim de colocar a mulher em guerra com os homens e com sua própria natureza: a de gerar.

A família passou a ser vista como uma ameaça à Revolução, pois enquanto houvesse casas sendo governada por homens e mães se dedicando em criar os filhos haveria, como defendeu Firestone: a “psicologia do poder masculino”.

Tragicamente, a mulher acreditou. Parece que desde Eva, somos inclinadas a acreditar no engano.

Juliana Ferron, Escritora, Palestrante, líder do Farol na Família Ministério de Sexualidade, Graduada em Marketing, Teologia Ministerial e Psicanálise, Pós graduada em Teoria Psicanalítica, Graduanda em Psicologia. Autora do livro Cansei de ser gay e co-autora de Jesus sou Gay e agora?
ContatoYoutube | Instagram | Linktr.ee

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here

Últimas notícias

Os responsáveis pelo colapso são os que se proclamam defensores da democracia

Milhões de pessoas de um lado contra uma meia dúzia do outro. Essa meia dúzia precisa se lembrar que não cabe a eles determinar o que o povo pode ou não pedir. Se o povo é soberano e o verdadeiro PATRÃO de todo funcionário público, ele pode pedir O QUE QUISER.

“Nunca interrompa o seu inimigo quando ele estiver cometendo um erro”

"O criminoso SABE que não tem saída e que, diante disso, restam duas alternativas: entregar-se para a prisão ou tentar a sorte, sair atirando e - quem sabe? - por um milagre conseguir escapar", destaca Pedro Delfino

Estado Autocrático do Xandaquistão

Você duvida do processo eleitoral?“-Fique quieto!”Você acha que deveria ser possível auditar a eleição?“-Não fale isso!!”São descobertas...

Fome de Poder Global

Esse artigo não tem o intuito de falar em teorias de Marx, Engels, Lênin, Trótski, Stalin ou...
- Advertisement -

Moraes manda bloquear contas de pessoas e empresas ligadas as manifestações

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou o bloqueio de contas bancárias de 43 pessoas físicas e jurídicas suspeitas de financiar "atos antidemocráticos" e que não aceitam o resultado da eleição presidencial de outubro.

Onde o povo Brasileiro Entra Nessa Democracia?

A verdade é que o Brasil não é uma democracia pelo simples fato de que o povo não participa de nada em relação ao Estado e muito menos em relação aos governos.

Você deve ler isso...

Os responsáveis pelo colapso são os que se proclamam defensores da democracia

Milhões de pessoas de um lado contra uma meia dúzia do outro. Essa meia dúzia precisa se lembrar que não cabe a eles determinar o que o povo pode ou não pedir. Se o povo é soberano e o verdadeiro PATRÃO de todo funcionário público, ele pode pedir O QUE QUISER.

“Nunca interrompa o seu inimigo quando ele estiver cometendo um erro”

"O criminoso SABE que não tem saída e que, diante disso, restam duas alternativas: entregar-se para a prisão ou tentar a sorte, sair atirando e - quem sabe? - por um milagre conseguir escapar", destaca Pedro Delfino
- Advertisement -

Você pode gostar tambémRELATED
Recomendado para você

WhatsApp Receba o nosso CONTEÚDO no WhatsApp