Uruguai e Argentina cortam despesas políticas para financiar sistema de saúde

Governos fazem a realocação orçamentária e podem reduzir em 20% o salário de funcionários de altos escalão

3083
Reprodução/O Globo

Governos da América do Sul estão tomando medidas de ajuste e realocação orçamentária para enfrentar as dificuldades financeiras dos sistemas de saúde em função da pandemia de covid-19.

O Uruguai reduzirá em 20% o salário de funcionários de altos escalão e aposentadorias mais privilegiadas para criar um “Fundo Coronavírus”; bem como a Argentina, que anunciou a transferência de valores destinados ao funcionamento da Casa e os chamados “recursos especiais reservados” dos deputados ao Ministério da Saúde e a organismos que atuam no combate ao coronavírus.

“Não vamos reduzir o salário de funcionários públicos e políticos para economizar, e sim para gastar. Isso é solidariedade pura para as pessoas. Este é o momento de todos fazermos um esforço”, declarou presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, que teve respaldo expressivo na análise do projeto.

Já o Paraguai pretende discutir uma reforma administrativa do Estado, que por consequência pode resultar em demissões em larga escala. Segundo autoridades do país, o governo quer “melhorar a qualidade do gasto público”.

Despesas como de “fundos de imprensa” já foram cortada pela Câmara do Uruguai, cada deputado recebia em torno de US$ 800 (R$ 4.131) para compra de jornais e revistas no Parlamento.

Na Argentina, as medidas drásticas de redistribuição de despesas tem alavancado elogios de especialistas. “Numa emergência não podem existir despesas especiais da política”, disse Sérgio Massa, presidente da Câmara argentina ao Globo.