segunda-feira, janeiro 18, 2021
Início Comportamento O lado verde da força

O lado verde da força

"O verde é símbolo da campanha anti-vida (a favor da descriminalização do aborto) e foi usado em cartazes, faixas, bandeira, tambores e acessórios, enquanto o azul representou o movimento pró-vida (contra a legalização do aborto) com bandeiras, faixas e cartazes", revela Jordana Fernandes em artigo

-

- Advertisement -

Na última sexta-feira (11) foi aprovado, na Argentina, o projeto de lei que prevê a legalização do aborto até a 14º semana de gestação. Em votação na câmara dos deputados, os resultados se deram após 20 horas de discursos e debates entre bancadas e ficaram divididos em 131 votos favoráveis, 117 contra e seis abstenções, totalizando 254 votantes e garantindo a vitória da aprovação pela Câmara.

No entanto, o projeto, que recebe o apoio do presidente argentino, Alberto Fernández, ainda será enviado ao Senado a fim de selar, ou não, a aprovação. Enquanto alguns temem a segunda votação, outros têm a esperança de que a decisão seja revogada, tendo em vista que há dois anos a Casa rejeitou um projeto similar mesmo depois de ter sido aprovado pela câmara com 129 votos favoráveis, 125 contra e uma abstenção.

Do lado de fora do parlamento, manifestantes de ambos os lados, conservadoras e liberais, partilhavam de muita tensão à espera dos resultados. A multidão era composta, majoritariamente, por mulheres, que fizeram vigília em frente ao congresso e manifestaram sua torcida através das cores verde e azul.

O verde é símbolo da campanha anti-vida (a favor da descriminalização do aborto) e foi usado em cartazes, faixas, bandeira, tambores e acessórios, enquanto o azul representou o movimento pró-vida (contra a legalização do aborto) com bandeiras, faixas e cartazes. Foi feita uma barreira para separar as manifestantes de cada polo e não houve confronto ou tentativa de invasão em ambos os lado.

Muito foi questionada a postura do Papa Francisco em relação à aprovação, pois, além de não se manifestar, não usou de sua influência para disseminar a visão cristã acerca do aborto em seu país natal, dando a entender que é complacente com a ideia. Não é novidade que o chefe supremo da Igreja Católica vem sendo “cancelado”, como diz a oposição, por algumas posturas duvidosas vindas de um cristão.

Ainda não há previsão para a votação no Senado. Sendo assim, não há um veredito, como estão dizendo os esquerdistas imbuídos de seu sentimentalismo.

por Jordana Fernandes

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

WhatsApp Receba as notícias do Relevante