domingo, março 7, 2021
Início Colunistas Questionamentos sobre as vacinas

Questionamentos sobre as vacinas

"O povo está tão abalado psicologicamente que não consegue enxergar essas evidências", destaca Nelson Fonseca em novo artigo

-

- Advertisement -

A imunidade de rebanho é quando uma certa parcela da população é vacinada ou adquire a imunidade natural e com isso diminui significativamente a taxa de transmissibilidade, acabando com a epidemia.

Pois bem. Mas as autoridades – muito mais as politicas do que as sanitárias – afirmam que a vacina NÃO EVITARÁ A TRANSMISSÃO DO VÍRUS.

Diante disso, tiramos duas conclusões:

Primeiro, a imunidade de rebanho não funcionará nesse caso.

Segundo, se ela não impede a transmissão, a vacina SÓ PROTEJE O PRÓPRIO INDIVÍDUO QUE A TOMA, mesmo assim numa probabilidade de 50%, no caso da Coronavac.

A grande maioria das vitimas fatais, cerca de 87,7%, é formada por pessoas com mais de 50 anos.

Fica a pergunta: Por que os testes priorizaram pessoas mais jovens? Aquelas que praticamente não adoecem? Esse fato foi observado pela própria ANVISA, que salientou sobre a ínfima quantidade de pessoas com mais de 50 anos na pesquisa.

A vacina não foi testada no principal grupo de risco. Excluíram também as crianças e as grávidas.

Será que o resultado de 50% se manteria se tivessem incluído o grupo de maiores de 50 anos em quantidade proporcional?

Estou convicto em afirmar que esses testes, para efeito estatístico, não serviu de absolutamente nada.

Mesmo assim só conseguiram a decepcionante marca de 50%. Ou seja: a vacina só conseguiu proteger a metade do grupo que, por si só, praticamente não é acometido pela doença.

Parece até que não estão preocupados com os idosos.

A comoção popular, potencializada pela mídia, praticamente obrigou a ANVISA à aprovação dessas vacinas, contrariando inclusive o seu costumaz rigor.

Das 9.242 pessoas que participaram dos testes da Coronavac, metade tomou a vacina e a outra metade tomou o placebo.

Do grupo que tomou o placebo apenas 1 pessoa adquiriu a forma grave da doença, enquanto o grupo que tomou a vacina, ninguém teve a forma grave da doença. Isso fez com que o Butantan afirmasse que a vacina protegeu em 100% a forma grave da doença.

Seja sincero, isso é válido estatisticamente?

Se isso vale estatisticamente, também é certo dizer que ela protege tanto da morte quanto o placebo, já que não houve mortes em ambos os grupos. Zero a Zero.

Num país onde se morre 3 vezes mais por doenças causadas pelo fumo, 5 vezes mais de câncer e 29 vezes mais de aborto, as preocupações com a COVID-19 parecem exageradas se comparadas às outras causas.

Resumindo:

  • A vacina evita a transmissão? Não.
  • Vou poder voltar à vida normal? Não.
  • Vou poder abraçar, beijar, me reunir com amigos? Não.
  • Vou poder tirar a máscara? Não.
  • Tenho segurança em relação aos efeitos adversos da vacina? Não, e ninguém quer se responsabilizar por isso.
  • Vou ficar imune à doença? Talvez sim, talvez não.
  • Se não tomar estarei prejudicando alguém? Não.
  • É uma vacina confiável? Pergunte aos laboratórios que não querem se responsabilizar por elas.

O povo está tão abalado psicologicamente que não consegue enxergar essas evidências.

O tempo vai expor a verdade.

O atributo alt desta imagem está vazio. O nome do arquivo é WhatsApp-Image-2020-08-28-at-16.22.04.jpeg

Nelson Fonseca (Colunista) É profissional de TI aposentado, de direita, conservador, patriota e cristão. Atualmente luta, incessantemente, contra o Comunismo e a degradação social e dos conceitos cristãos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

WhatsApp Receba as notícias do Relevante