domingo, março 7, 2021
Início Colunistas Menina de 10 anos vítima de estupro. Abortar ou não?

Menina de 10 anos vítima de estupro. Abortar ou não?

"No caso da menina de 10 anos, além dela já estar na 22° semana de gestação, o feto já tem mais que 500 gramas. Portanto, independentemente de qualquer posição ideológica, religiosa ou simplesmente por comoção social, não se pode desobedecer à lei", esclarece Nelson Fonseca, em novo artigo

-

- Advertisement -

O aborto no Brasil é permitido em três situações: No caso da gravidez estar colocando a vida da gestante em risco, no caso de anencefalia do feto e em caso de estupro.

Porém existem outros detalhes na lei que devem ser observados. Um deles é o período de gestação e o outro é o peso do feto.

​Até que período da gestação o aborto legal pode ser realizado?

Não há limite nos casos de anencefalia e risco à vida da gestante. Porém, em caso de gravidez decorrente de estupro, o procedimento só pode ser feito até a 20ª semana de gestação ou o prazo pode ser estendido até a 22ª semana caso o feto pese menos de 500 gramas.

ESSA É A LEI E PONTO FINAL.

Independente de qualquer coisa, ela deve ser cumprida. É assim que funciona a democracia. Caso você não concorde, procure votar em políticos que pensem como você. Mas, enquanto em vigor, a lei tem que ser cumprida, concorde com ela ou não.

O caso da menina de 10 anos que engravidou após ser violentada por um tio em São Mateus, no Espírito Santo, começou o procedimento de aborto neste domingo (16), após o Tribunal de Justiça do Espírito Santo conceder a ela o direito previsto na lei brasileira de interromper uma gravidez fruto de um estupro.

Esse é um bebê de 22 semanas de gestação

No caso dessa menina, além dela já estar na 22° semana de gestação, o feto já tem mais que 500 gramas. Portanto, independentemente de qualquer posição ideológica, religiosa ou simplesmente por comoção social, não se pode desobedecer à lei.

O episódio é muitíssimo lamentável, porém um erro não pode justificar o outro. Ou melhor, um crime não pode justificar o outro crime, e matar esse bebê, segundo a lei, É UM CRIME.

Existem outras alternativas, como por exemplo a adoção. O trauma dessa menina já está causado e se ele vai aumentar ou diminuir no caso de abortar agora ou parir daqui a algum tempo é muito subjetivo e certamente, em qualquer situação, ela terá que ser submetida à um tratamento psicológico.

Quanto ao crime de estupro sofrido por essa pobre menina, esse sim tem que ser apurado. O tio criminoso deve ser capturado, julgado, condenado e preso. Pois é um CRIMINOSO e não um doente inimputável como alguns querem qualificar a pedofilia no Brasil. Os pais dessa menina também devem ser investigados.

Apesar de também não concordar com vários artigos de nossa Constituição Federal e principalmente do nosso Código Penal, reconheço que a lei tem que ser respeitada a qualquer custo, pois sou um democrata.

Por exemplo, eu não concordo com progressão de regime, saídinha em datas comemorativas e indutos de criminosos, entre outras “regalias”. Porém sou obrigado a aceitar.

Há pouco tempo, por exemplo, um criminoso solto pelo STF por causa da pandemia, voltou a estuprar e assassinar. A vitima foi uma adolescente de 16 anos. No entanto não vimos tamanha comoção nacional nesse caso.

Não houve comoção porquê esse caso não se encaixa em nenhuma pauta da Esquerda. Já o aborto, todos sabem qual é a opinião da Esquerda. Portanto, estão querendo usar essa pobre menina para justificar essa narrativa.

Voltando ao assunto, a equipe médica do Espírito Santo que se recusou a fazer o procedimento, atestou que a menina já estaria na 22° semana e o feto com mais de 500 gramas, portanto estaria FORA DA LEI, e pelo que eu saiba, qualquer coisa FORA DA LEI É CRIME. Nesse caso o médico poderia pegar de 3 a 10 anos de prisão.

Nenhum juiz pode julgar fora da lei, embora ultimamente isso esteja acontecendo corriqueiramente no Brasil. Os julgamentos estão sendo feitos em função de ideologias políticas e vontades próprias, em detrimento de nossa Constituição Federal.

Concordar com isso é demonstrar total aversão à democracia e ao Estado de Direito.

“DURA LEX, SEDE LEX”

Mais uma vez no Brasil a nossa Constituição está também sendo estuprada.

Nelson Fonseca (Colunista) É profissional de TI aposentado, de direita, conservador, patriota e cristão. Atualmente luta, incessantemente, contra o Comunismo e a degradação social e dos conceitos cristãos.

WhatsApp Receba as notícias do Relevante