Da série “Mindset do Séc XXI”- Novos modelos de negócio em rede que transformam a sociedade – Parte 3

As novas gerações estão crescendo num mundo que cada dia mais ressalta a colaboração e o compartilhamento

Reprodução/Kiva

Na última edição, em que abordei este tema, iniciamos a reflexão sobre empreendedorismo social, modalidade nova e desconhecida para alguns. Citei o nome de alguns precursores notáveis dessa modalidade de empreendedorismo, porém enalteci um nome: Muhammad Yunus. Nascido em Bangladesh, em 1940, é o terceiro numa família de 14 filhos, dos quais cinco morreram nos primeiros anos.

Formou-se em economia no seu país e doutorou-se no EUA. Na década de 1970, começou a constatar as dificuldades de pessoas carentes em obter empréstimos. Por não poderem dar garantias, a eles era negado o direito a pequenas quantias em empréstimos que poderiam ajudar na manutenção de pequenos negócios importantes para o sustento dessas famílias. Ele criou então o conceito de microcrédito. Em 2006, foi laureado com o Nobel da Paz. Dei uma leve pincelada na história desse ser humano notável para mostrar que se pode, sim, inovar em modelos sem precisar de alta tecnologia de ponta.

Essa sementinha plantada por Yunus na década de 70 ganhou uma versão mais moderna e atual, por alguns denominada de “Yunus do século 21”. Essa plataforma se chama Kiva. Nasceu em 2005, na Califórnia, EUA. De lá para cá, cresceu consideravelmente.

Neste exato momento, somos 7,7 bilhões de habitantes no mundo, dos quais assustadoramente 1,8 não tem acesso a banco. Você consegue pensar sua vida sem banco? Você fica sem acesso a crédito, cartões de pagamento (débito ou crédito), não tem onde guardar seu dinheiro, tem que andar inseguro carregando dinheiro vivo para todo lado… Isso pra citar algumas poucas dificuldades geradas quando não se tem acesso a este tipo de serviço.

E se você vem de origem muito humilde, em vários lugares do mundo, inclusive no Brasil, você fica totalmente desamparado desse tipo de comodidade. Imagine a vida de um pequeno agricultor familiar que tira o sustento de todos seus entes próximos através dessa modalidade sem conseguir ter acesso a um crédito para uma possível compra de insumos ou para ter um “fôlego” no fluxo de caixa de seu negócio. Difícil, né? Pois o Kiva é uma plataforma digital que possibilita que qualquer pessoa no mundo com acesso à internet possa ser um emprestador na modalidade de microcrédito. Você entra no site e vê várias iniciativas cadastradas e separadas por categorias: educação, agricultura, mulheres, refugiados e água potável, só para citar algumas. Qualquer um pode ser um emprestador a partir do valor mínimo de 25 dólares americanos.

Hoje o site conta com 3,3 milhões de emprestadores e 1,8 milhões de tomadores de crédito. Já alcançou a incrível marca de 1,33 bilhões de dólares emprestados desde sua inauguração, e a taxa de adimplência atualmente se encontra em incríveis 97%. Legal, não é mesmo?

Preciso te contar que é uma sensação muito gostosa poder ajudar alguém no Congo, no Quênia ou em Ruanda, lugares muito pobres e devastados por guerras. Podemos sempre ajudar alguém mesmo na nossa cidade, pertinho da gente, mesmo que seja fazendo parte de algum projeto altruísta e voluntário. Mas essa ferramenta tem mostrado que, dia após dia, não haverá mais barreiras. Lembra do pensamento em rede? Olha ele aí de novo! Recentemente ouvi uma frase em inglês que dizia assim: cada um ajude um! Seria fantástico, não? Alguns com muito, tantos com tão pouco e, às vezes, uma pequena ajuda impulsiona alguém a sair de uma vida de escassez extrema. As novas gerações estão crescendo num mundo que cada dia mais ressalta a colaboração e o compartilhamento. Qual resultado você espera disso? Eu observo otimista e termino usando um termo desta nova geração para me sentir mais descolado: acho que vai dar bom!

Até a próxima!

Thiago Jarjour (Colunista) Vice-presidente da Rede Brasileira de Cidades Inteligentes e Humanas e Embaixador da Campus Party. Ex-secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação do Distrito Federal