A igreja lavou as mãos para a política?

"Não fomos chamados para implantar o Reino de Deus na terra, ensinar e gerar discípulos nas nações, não é essa a oração do Pai Nosso?", questiona Kharyna Accioli em novo artigo

746
Reprodução

Por anos oramos para que Deus nos desse uma nova janela de oportunidade, que todas as mazelas da esquerda viessem à tona e que esse espírito de corrupção aliado a toda agenda contrária à nossa fosse desmantelada. Sim, fomos ouvidos. Iniciou-se um novo governo que luta dia após dia contra o establishment e como a Igreja tem e posicionando?

Confesso que me frustrei, sonhei que veríamos uma Igreja atuante no cenário de transformação do Brasil, não apenas orando pelas lideranças, mas, trazendo as discussões e ensino sobre política para dentro das igrejas, estimulando a leitura e, fazendo uma análise crítica mais profunda de como anular o aparelhamento e a dominação esquerdista nas artes, na cultura e na educação por exemplo mas não, o que vi me pareceu um estilo mais moderno de lavar as mãos, assim como Pilatos no julgamento de Jesus, como não fosse mais problema nosso. Fizemos nossa parte, tiramos o PT.

Parto da premissa que o mundo físico é o espelho do espiritual, e analisando sob essa ótica, diante de tudo que estamos vivendo, parece que falhamos, que fomos anestesiados e paralisados, não percebemos que o versículo decorado de Efésios 6.12 “Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais”, já não é mais uma verdade e deixamos de pratica-lo, de lutar pelo Brasil.

Nesses quase 3 meses de pandemia, o que presenciei foi boa parte do alto clero gospel disputar audiência em lives, alguns horários passaram a ser nobres nas redes sociais, os assuntos eram os mais variados e poucos, muito poucos estavam discutindo o que Deus estava mostrando, qual o direcionamento do céu diante de toda a crise não sanitária, mais moral que estamos passando como Igreja, aqui eu pontuo como Corpo de Cristo e para onde iremos, qual a direção, pois é fato que, diante de toda essa desordem, voltar ao antigo normal, já não é aceitável, foi reprovado por Deus.

E agora que nos últimos 30 dias, a crise política se acentuou, Judiciário e Legislativo disputando o protagonismo com alternância de poder, parece a velha política do café com leite de volta, enquanto que, a população sofre, amargando uma crise financeira comitantemente com a supressão dos seus direitos básicos constitucionais, vimos, prisões arbitrárias em todo o país, chegamos no ápice de que portar a bandeira brasileira é uma afronta aos inimigos do Presidente e que atos democráticos são os que usam de violência e por onde passam deixam rastro de destruição e com esse propósito as aglomerações são bem vindas e contam com o apoio da extrema imprensa.

E quem nesse cenário deveria apontar um norte, uma direção com perspectivas futuras vindas do céu, escolheu o silêncio sepulcral, alguns líderes preferiram o discurso de fuga, Jesus está voltando esse ano e os sinais escatológicos apontam para isso, outros adotaram a bandeira do ensino, não que seja contra o ensino, ao contrário, a questão é, esse é o tempo? Há aqueles que quando questionados sobre as crises políticas disseram nosso reino não é daqui vamos aguardar o desenrolar de tudo isso.

Sim senhores, me assustou, ora, não fomos chamados para implantar o Reino de Deus na terra, ensinar e gerar discípulos nas nações, não é essa a oração do Pai Nosso?

E como faremos se não dominamos, reinamos, lideramos e influenciamos as áreas da política, artes e educação pelo menos, criaram uma fortaleza mental que religião e política não se misturam e muitos que possuem o papel de que conduzir o rebanho absorveram por anos essa dicotomia nefasta, produzindo alienados ávidos para irem ao céu e poucos decidindo viver o céu na terra.

O que precisamos mesmo é de uma boa dose de coragem e ousadia a fim de gerar por exemplo, novos John Wesley, Jonathan Edwardas, Jorge Muller, George Whitefild, William Carey David Brainerd, David Linvinsgstone, Hudson Taylor, Jonh Paton e etc, foram homens que influenciaram nações, nações essas que enfrentaram tempos de prosperidade com transformações na cultura, economia e política porque entenderam o que de fato é praticar Éfesios 6.12.

Levantem Acabes! A janela está aberta, depende de nós o Reino que nossas gerações futuras viverão no Brasil, essa é a herança!

Kharyna Accioli (Colunista)
Pastora, Leader Coach e Analista Comportamental