Sindicato pede investigação do MP sobre suposta pressão para que médicos atestem óbitos como covid-19

“[...] não é raro encontrar notícias de que a mesma situação está ocorrendo em diversos lugares do nosso país”, disse Dr. Edmar Fernandes, presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará

780
Reprodução

Em comunicado, o Sindicato dos Médicos do Ceará informa que acionou o Ministério Público Estadual para que seja investigada uma suposta pressão para que profissionais de saúde atestem resultados de óbitos como coronavírus.

Segundo o Sindicato, as denúncias apontam que os médicos teriam que atestar as mortes como “suspeita de coronavírus”, sem a realização de exames precisos para a confirmação.

“Infelizmente, a realidade que vem se apresentando não se trata de exclusividade do nosso Estado, pois não é raro encontrar notícias de que a mesma situação está ocorrendo em diversos lugares do nosso país. A ordem é de que os médicos atestem o óbito no local com a causa ‘suspeita de Covid-19’, sem que tenha havido qualquer exame mais elaborado, ou seja, sem adotar o protocolo internacional durante epidemias e recomendações da Organização Mundial da Saúde e do próprio Ministério da Saúde”, explica Dr. Edmar Fernandes, presidente do Sindicato.

O Sindicato também solicitou a criação de um canal de comunicação para que os profissionais possam relatar os casos. “Para que os profissionais que supostamente tenham vivenciado a referida situação possam realizar denúncias de forma virtual, por videoconferência, ou pessoalmente ao MP, podendo ainda entregar provas materiais (se houver), bem como solicitar sigilo se entenderem necessário.”

“A ação da entidade também foi impulsionada pela atual discussão na esfera política-midiática, com representantes públicos e profissionais médicos, sobre a possível existência de “fake news” a respeito do assunto. Portanto, a iniciativa do Sindicato pretende esclarecer os fatos e, prioritariamente, proteger e defender os profissionais da Saúde e a Medicina de qualidade.”